All posts tagged Minuto Ágilis

VALOR DA CULTURA ORGANIZACIONAL

Na correria do cotidiano, muitas vezes não percebemos, mas empresas e instituições influenciam nosso modo de pensar, agir e sentir através da chamada cultura organizacional. Essa cultura expressa os comportamentos esperados ou desejáveis de cada profissional, e todos, sem exceção, precisam estar atentos a ela.

A própria história da organização produz significados e estabelece valores e referenciais que constituem o seu modo de ser. Ao se identificar com esses valores e sentidos, todo profissional se sente muito mais realizado.

Dessa forma, o gestor precisa disseminar a cultura organizacional e procurar alinhar sua equipe a ela. Não importa a hierarquia: todos os profissionais devem compartilhar os valores e ideais de uma empresa — e essa identificação faz com que se engajem para alcançar metas e resultados.

0

POR UM GESTOR MAIS FELIZ

Segundo pesquisa publicada na revista Harvard Business Review, o cargo de gerente é o que possui o maior número de profissionais infelizes. A responsabilidade de cumprir projetos que não escolheram e a necessidade de atingir metas agressivas foram apontadas como as principais causas desse quadro.

Para quem busca realizar-se numa gerência, não basta apenas identificação com a função. Espera-se que tenha aptidão para desenvolver e motivar equipes, liderando pessoas, e especialmente capacidade de coordenação com foco na produção de resultados.

Do lado das empresas, contar com um gestor insatisfeito é um risco: sua desmotivação pode se propagar entre os subordinados. Cabe-lhes o desafio de encontrar e formar um profissional com perfil adequado, capaz de se tornar um verdadeiro — e satisfeito — agente de mudanças.

0

SANTO DE CASA TAMBÉM FAZ MILAGRE

Por acreditarem que “santo de casa não faz milagre”, algumas empresas contratam consultorias para resolverem problemas internos. Em muitos casos, os consultores chegam à mesma solução que o gerente, porém a opinião de quem está de fora acaba ganhando maior peso.

É interessante que os gerentes investiguem por que não estão sendo ouvidos. Em geral, a dificuldade não está relacionada à falta de conhecimentos técnicos, mas a falhas na exposição das soluções. Esse profissional deve ser assertivo e formular estratégias para conseguir adesão às suas ideias.

A visão de alguém de fora é válida, mas a de quem vivencia o processo é essencial. É necessário que o gerente se posicione e reflita sobre a forma como se expõe.

FORMAÇÃO MAIS ABRANGENTE

As instituições de ensino, focadas em oferecer um vasto subsídio teórico, muitas vezes acabam deixando de desenvolver nos alunos outras habilidades fundamentais para formar profissionais que atendam às necessidades do mercado.
O conhecimento técnico é importante, mas a preparação de um profissional deve ser mais abrangente, com orientações de como resolver questões práticas, como trabalhar em equipe e se portar dentro de uma organização. Esta última é indispensável, tendo em vista que a maioria dos casos de demissão é motivada por questões de ordem comportamental.
Conhecimento técnico, prático e comportamental são habilidades que o mercado de trabalho deseja encontrar num profissional. Cabe às instituições de ensino estar atentas para promover uma preparação cada vez mais articulada com a realidade.

CAPACITAÇÃO PARA EMPREENDER

Capacitação é essencial para o sucesso de uma empresa. Essa afirmação pode soar óbvia, mas boa parte dos futuros empreendedores brasileiros parece desconhecê-la.

A pesquisa Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras, da Endeavor, revelou que 60% dos universitários brasileiros pretendem empreender no futuro, mas apenas 38,1% destes se informam sobre como abrir um negócio. Tal despreparo tem se traduzido em insegurança: menos da metade desses empreendedores potenciais afirmou ter confiança em estimar valores de capital para entrar no mercado.

A solução para esse problema passa pela qualificação, tanto teórica — na universidade e em cursos adicionais — quanto prática, vivenciando o dia a dia de uma organização. Em suma, dom e intuição não bastam: nos negócios é preciso uma formação com técnica e capacitação continuadas.

0