O equilíbrio entre privacidade e transparência na empresa familiar

Não é incomum encontrarmos empresas familiares que, internamente, são cheias de segredos e temas confidenciais que não podem ser externados nem para sua equipe mais estratégica. Isso acontece principalmente porque, para muitas famílias empresárias, o hábito de reter informação é muito forte, principalmente quando já viveram casos de vazamento de dados ou têm receio de perder vantagens competitivas. De fato, é um medo válido, mas que pode trazer sérias consequências para o negócio.

A experiência mostra que a tendência de resguardar informações internas é bem mais forte naquelas empresas familiares que ainda não foram profissionalizadas. O problema, nesses casos, é que o fato de não compartilhar dados, impressões e constatações com as equipes deixa os profissionais sem “munição” para executarem suas tarefas da melhor forma.

Além disso, em uma empresa cheia de segredos, as pessoas ficam mais acuadas, não se sentem pertencentes nem confortáveis para questionar, o que acaba barrando a inovação e a criação de soluções novas para problemas antigos. E tudo isso vai impactar não só no andamento das tarefas, mas também na qualidade das entregas e no clima organizacional.

É preciso ter em mente que é possível sim, e necessário, compartilhar algumas informações estratégicas da empresa, tais como papéis e responsabilidades na governança, principais pontos dos acordos de sócios, políticas de entrada e saída, história da família, algumas informações financeiras e planos para atuação no mercado, entre outras.

Claro que alguns dados e fatos vão precisar ser preservados, por isso o ideal é analisar com frieza para decidir o que é, realmente, segrego e o que não é. Neste caminho, criar um plano de comunicação bem estruturado vai ajudar no equilíbrio entre privacidade e transparência.

Enviar para um amigo
Comments Off

Os comentários estão fechados.