Sociedade fraterna

Darcy Ribeiro afirma que no Brasil ‘formações sociais se enfrentam e se fundem para dar lugar a um povo novo, num novo modelo de estruturação societária’.

Finalizei a apresentação da Agenda TGI 2020, dia 25.11 no Teatro RioMar (ver matéria de capa), com a música Epitáfio dos Titãs, aquela que tem como refrão: “O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído”. Justifiquei a escolha com o argumento de que a música fala de “andar”, algo que hoje me é muito caro mas, também, trata de tolerância. E tolerância, solidariedade e cooperação são para mim valores indispensáveis à construção de uma sociedade fraterna.

Creio firmemente que nenhuma sociedade, da qual valha a pena fazer parte, pode se edificar sobre pilares diferentes desses valores, muito menos sobre seus opostos como, muito desafortunadamente, temos visto prosperar nos últimos tempos no nosso País!

“Explicadores” do Brasil do porte de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Darcy Ribeiro, dentre outros, contribuíram com ideias e ideais que corroboram esse estendimento, destacando a originalidade da nossa formação social e cultural. Darcy Ribeiro, por exemplo, no livro que escreveu como uma espécie de síntese derradeira da sua obra e da sua carreira de militante político e cultural (O Povo Brasileiro), afirma que no Brasil “formações sociais se enfrentam e se fundem para dar lugar a um povo novo, num novo modelo de estruturação societária. Novo porque surge como uma etnia nacional, diferenciada culturalmente de suas matrizes formadoras, fortemente mestiçada, dinamizada por uma cultura sincrética e singularizada pela redefinição de traços culturais delas oriundos. Novo, inclusive, pela inverossímil alegria e espantosa vontade de felicidade, num povo tão sacrificado, que alenta e comove a todos os brasileiros.”

Uma sociedade em formação como a nossa, com essas características, para chegar a bom termo depende, de forma crucial, da cooperação como mecanismo superior ou, pelo menos, como diz Manuel Castells, guru da sociedade conectada em rede, também citado na apresentação, como forma de “correção” da competição. E cooperação rima com solidariedade e tolerância, nunca com seus antônimos!

Por fim, fiz votos, como faço aqui para os leitores da Algomais, de que o espírito de fraternidade que se reinaugura sazonalmente com o mês de dezembro se estenda pelo próximo ano, e nos demais pela frente, atenuando e “desidratando” o clima de acirramento de ânimos e de antagonismos cotidianos, reduzindo e “soldando” as fraturas abertas pelo processo político. Bom final de 2019 e excelente 2020 fraternos!

*Artigo publicado na edição 165 da revista Algomais (www.algomais.com)

Enviar para um amigo
0

ESCREVA SEU COMENTÁRIO