Crescendo com Pernambuco

Na última semana, foi divulgado oficialmente que Pernambuco cresceu mais do que o Brasil em 2011. O PIB pernambucano registrou um aumento de 4,5%, enquanto a média brasileira ficou em 2,7%. Os números traduziram o momento de euforia que marca o atual ciclo de desenvolvimento do Estado. Impulsionada pelo aporte de mais de R$ 62 bilhões em investimentos, a economia pernambucana se redesenha, organizada em novos arranjos. Enquanto novíssimos setores — como automobilístico, petroquímico, petroleiro, de gás, naval e offshore — se estruturam, antigas atividades ressurgem, outras se reformulam e todos querem aproveitar, ao máximo, as inúmeras oportunidades que surgem nesse novo ambiente econômico.

As perspectivas são muito positivas. A Pesquisa Empresas & Empresários, realizada pela TGI e pelo Instituto da Gestão (INTG), em parceria com a Ceplan e a Multivisão, mostra que, em um cenário otimista, o PIB do Estado irá crescer cinco vezes até 2035, chegando a R$ 439 bilhões, o equivalente ao PIB atual do Nordeste. Em uma segunda hipótese, mais moderada, a economia triplicaria de tamanho, com o PIB chegando a R$ 255 bilhões. Em meio a números tão animadores, vale fazer duas ressalvas: nem todos vão participar desse surto de crescimento; e, para chegar ao melhor cenário, governo e empresários têm pela frente um imenso dever de casa, repleto de desafios.

O fato é que o novo ciclo de dinamismo está transformando radicalmente o ambiente empresarial no Estado. Antes fechada e protegida, a economia pernambucana vem sendo rapidamente alçada a padrões de atuação e competitividade globais. Isso vai requerer das empresas locais um ajuste competitivo para que possam adequar seus processos e seu padrão de gestão ao quadro de hipercompetição que se desenha para a economia de Pernambuco. Em muitos segmentos, esse cenário já é uma realidade, com a chegada de concorrentes de outros estados e do exterior, muitas vezes mais competitivos e qualificados para disputar uma fatia desse mercado. Quem ainda não foi afetado por essa nova dinâmica deve se preparar para as mudanças, muitas e profundas, que já estão batendo à porta ou, certamente, baterão.

Esse ajuste competitivo vai requerer alguns princípios básicos: (1) profissionalização radical da empresa, do porteiro ao presidente; (2) disciplina de capital — sintonia com os fundamentos econômicos e financeiros do negócio, produção enxuta e precisa; (3) inovação tecnológica e em produtos, modelos de negócio, processos e gestão; (4) foco na vocação competitiva — investimento nos pontos fortes e nas competências distintivas da empresa; e (5) transição para a economia de baixo carbono.

Além do alto padrão de gestão e fortalecimento do protagonismo empresarial, há gargalos históricos e outros desafios a serem enfrentados para que Pernambuco possa consolidar o atual processo de crescimento. Entre eles, a escassez de mão de obra especializada, a concentração dos investimentos na Região Metropolitana, a ênfase na economia do petróleo, a sobrecarga na infraestrutura, entre outros. Não é uma tarefa trivial. A única certeza é que será necessário desenvolver grande competência — pública e privada — para cumpri-la.

Enviar para um amigo
0

ESCREVA SEU COMENTÁRIO